5 Alimentos que nunca deveríamos consumir novamente - Melhor Com Saúde

5 Alimentos que nunca deveríamos consumir novamente

Não há motivo para voltar a comer aqueles alimentos dos quais não gostamos, ou que fazem com que nos sintamos mal. Não faça por seu alto teor de vitaminas: com certeza você pode obtê-las em outros pratos.
alimentos que nunca deveríamos consumir

É importante consultar com frequência quais coisas devemos comer ou não: uma proteína depois de fazer exercício físico, o tipo de arroz, os grãos integrais, o peixe ou os mariscos, por exemplo. A resposta para estas consultas é (quase) sempre a mesma: talvez sim, talvez não. Às vezes. Depende.

Por quê? Porque “cada pessoa é um mundo”, e o que faz bem a uma, talvez não seja bom para outra. Tudo depende também da quantidade que cada um consome. No entanto, neste artigo você vai conhecer quais são os 5 alimentos que nunca deveríamos consumir.

Comidas menos recomendadas

Se for certo que há alimentos que podem ser mais perigosos que outros, e que existem comidas que são recomendadas por serem mais saudáveis, a verdade é que não podemos catalogar os alimentos como “bons ou maus”. É comida, diferente em cada caso, com efeitos colaterais maiores ou menores para a sua saúde.

Os cinco alimentos que nunca deveríamos comer

Os que não gostamos

Não tem como gostarmos de todos os pratos que nos servem ou que estão no cardápio de um restaurante. Então, porque comê-los? A comida é o que nos sustenta, certamente, mas ela também é um prazer, um amor e um êxtase culinário. Se você gostar, perfeito. Se não gostar, não se obrigue a comer algo. Muitas pessoas “odeiam” um determinado alimento, mas continuam comendo-o por acreditarem que ele faz bem.

Isso não é verdade. Se você não gostar de algo, isso não vai ser bom para você. Claro que pode ter benefícios nutricionais, mas 1 milhão de outros alimentos que você realmente gosta também podem ter. “Comida saudável” não é só brócolis cozido no vapor e filé de frango grelhado. Trate de ser criativo e fazer com que as suas papilas gustativas aproveitem enquanto você mantém a sua saúde.

Os que fazem com que seu corpo se sinta mal

indigestao

Pode ser o seu estômago, sua cabeça ou as suas articulações. Pode ser que você goste muito de algo, mas depois de comê-lo se sinta inchado, desanimado e, geralmente, incomodado. Isso pode ocorrer com qualquer tipo de comida, dependendo das características de cada pessoa, ainda que as farinhas brancas, os laticínios e as carnes costumem levar todos os prêmios. Decida evitar os alimentos que lhe fazem mal 99% das vezes. 1% restante é para você aproveitar, mas atenção: sem exagerar o seu consumo. Ao considerar este tipo de consumo ocasional de “comida especial”, você irá desfrutá-la muito mais. Não se esqueça de que, se comer demais, irá se sentir muito mal.

Os que fazem você se sentir culpado

Você sabe exatamente do que estamos falando. Passa todo o final de semana comendo doces, brownies, sorvetes, batatas fritas, frango frito, panquecas ou crepes… E acorda na segunda-feira com uma ressaca alimentar muito forte e um sentimento de culpa que parece não ir embora até que você passe a semana inteira comendo somente maçãs e salada de tomate e cenoura.

Isso ocorre com frequência: nos castigamos fortemente durante os dias seguintes, mantendo uma dieta muito restritiva, impossível de cumprir. Assim como acontece quando tomamos um “porre”, prometemos que nunca vamos fazer isso outra vez (ainda que você mesmo saiba que irá repetir o ciclo no próximo final de semana).

A culpa por comer é horrível. Não serve para nada. A vergonha de comer de maneira menos saudável durante um curto período de tempo nos leva a nos sentirmos mal com nosso corpo, e a nos obrigarmos a comer coisas das quais não gostamos “somente porque são saudáveis”. Esta não é uma técnica recomendada por várias razões. Primeiro, porque você não vai perder a gordura já consumida, e segundo porque o estômago não irá compreender o que está acontecendo. Pode ser que ele se torne mais sensível com o consumo de coisas saudáveis de segunda a sexta e com os exageros de gorduras, condimentos e açúcar nos sábados e domingos.

sorvete

Se você costuma ter festas, eventos ou pedir comida em casa nos finais de semana, não coma exageradamente. Tente manter uma dieta mais equilibrada. Não coma o que vai trazer culpa, pois a comida deve ser incrível antes e depois de ingerida. Se ao terminar o prato você se sente mal e culpado, será que realmente vale a pena?

Os que você não consegue parar de comer

Se houver algum alimento que você não consegue parar de comer, que você ingere até acabar todo o pacote, se você quiser comê-lo sempre, não importa a hora do dia, se outra pessoa tiver que lhe falar “pare” e se você tiver muitos desejos de comê-lo, principalmente quando não o tiver em casa… Então é um alimento que você deve eliminar da sua alimentação.

Quando pensamos nos alimentos que não podemos deixar de comer, que são viciantes, certamente nos vem à cabeça as batatas fritas, o chocolate, o hambúrguer e as pizzas. Todos esses “alimentos” alteram quimicamente suas respostas no cérebro e podem chegar a viciar. Mas isso não se aplica somente ao “fast food”, também podemos ser viciados em comidas saudáveis.

Talvez uma geleia de morango, os biscoitos caseiros da sua avó ou uma salada colorida, ainda que a ocorrência desses casos seja muito menor. Mas se você perceber que não consegue parar de comer couve-de-bruxelas, não há problema. Pode continuar!

Os que não são comida

Comida-enlatada

O xarope de milho de alta frutose não é comida. Os corantes e sabores artificiais não são alimentos. A celulose (polpa de madeira que é frequentemente encontrada no queijo ralado) não é comida. O propilenoglicol? Também não é comida. Entretanto, as grandes indústrias alimentícias os acrescentam entre seus ingredientes (e muitos outros que não detalhamos aqui).

Estes ingredientes prejudiciais servem para muitas coisas, como por exemplo, economizar dinheiro para as empresas, criar um vício nos consumidores, usando coisas mais baratas e que duram mais, mas que não são boas para a sua saúde.

O melhor a fazer é preparar a sua própria comida com ingredientes reais e produtos orgânicos (ou locais) e usar proteína animal de alta qualidade (carne de boi alimentado com pasto, não com antibióticos e hormônios, peixes que não sejam de cativeiro, frangos que vivam em uma grande extensão de campo, etc.). Olhe com atenção cada etiqueta individual e, se houver algum ingrediente que você não reconhece, é provável que não seja comida.