Abandone o consumo de farinhas e emagreça com mais facilidade! - Melhor com Saúde

Abandone o consumo de farinhas e emagreça com mais facilidade!

Aumente a ingestão de fibra, diminua a de carboidratos e evite as gorduras. Lembre-se de beber 2 litros de água por dia e combinar a sua alimentação com atividade física para obter resultados rapidamente.

No café da manhã, almoço, lanche ou no jantar. Estamos sempre comendo alimentos ricos em farinhas, como é o caso do pão, do macarrão, dos confeitados, dentre outros muitos alimentos que são mais fáceis e rápidos de preparar e que saciam a fome. Mas esse abuso, além de não ser saudável, acaba por nos acrescentar muitos quilos.

Nesse artigo explicaremos porque isso acontece e de que maneira podemos evitar esse hábito. Isso nos permitirá perder peso com mais velocidade, sem sofrimentos e com grandes benefícios para a saúde de um modo geral.

O consumo exagerado de farinhas

Uma alimentação equilibrada é baseada no consumo proporcional das quantidades necessárias de proteínas, carboidratos e gorduras. Dentre os carboidratos encontramos frutas, vegetais, féculas e cereais. O problema é que atualmente abusamos dos cereais, em especial das farinhas, e comemos poucos vegetais. A maior parte do dia nos alimentamos de pães, pizzas, macarrão, biscoitos e todo tipo de produtos industrializados. paes

Por que esses tipos de farinhas engordam?

Na realidade nosso corpo precisa de cereais, já que eles nos oferecem energia durante um longo tempo, principalmente se forem integrais. O problema está em comê-los em excesso ou a noite, já que essa energia não será utilizada nesses dois casos, o que fará com que se acumulem em forma de depósitos de gordura.

A intolerância ao glúten

A maior parte das farinhas é proveniente de cereais com glúten, como é o caso do trigo, da aveia, do centeio, dentre outros, mesmo que cada um contenha quantidades diferentes do composto. Entretanto, outros cereais, como o arroz, o milho e o trigo sarraceno, não contêm glúten. farinha-milho-michelle@TNS Atualmente muitas pessoas sofrem de certo grau de intolerância ao glúten, o que não é a mesma coisa que a alergia ao glúten, também conhecida como doença celíaca. Uma pessoa celíaca sofre reação de alergia imediata ao glúten, porém, quem tem intolerância não sente os sintomas de imediato, o que acontece é que com o passar do tempo se sente os problemas de saúde que não costumam estar relacionados com essa causa. Neste último caso, o alimento não é digerido ou assimilado corretamente, o que pode causar, dentre outros problemas, desequilíbrios de peso. Pessoas que são intolerantes ao glúten, quando o eliminam de sua alimentação, notam uma grande melhora rapidamente e percebem que seu peso tende a se equilibrar com mais facilidade. Outros sintomas da intolerância ao glúten são:

  • Prisão de ventre ou diarreias recorrentes
  • Má digestão
  • Problemas dermatológicos como a hiperqueratose folicular
  • Transtornos menstruais
  • Esterilidade
  • Obesidade ou falta de peso

Ao suspeitar de intolerância ao glúten é recomendável consultar um médico, que recomendará os exames necessários para detectar o problema.

Boas ideais para reduzir o consumo de farinhas

  • É possível encontrar no mercado utensílios de cozinha que permitem preparar espaguetes a partir de verduras, como, por exemplo, abobrinha. Com este utensílio é possível transformar aquilo que seria um prato de verdura em um falso, porém delicioso, prato de macarrão, temperado com molho de tomate, queijo e orégano.

espaguetes-abobrinha-tzejen

  • Se quisermos preparar bolos podemos nos surpreender com as possibilidades que alguns legumes nos dão. Você sabia que é possível preparar um bolo com legumes e chocolate delicioso? Para isso basta substituir a farinha por farinha de legumes ou legumes bem cozidos e triturados. O resultado sem dúvida surpreenderá.
  • Pessoas intolerantes ao glúten também podem notar grandes melhoras se substituírem totalmente o consumo de farinhas por outras alternativas, que sejam sem glúten, como as farinhas de arroz, milho ou grão de bico. É possível cozinhar os mesmos pratos que sempre cozinhamos, bem como fazer pães, bolos, pizzas, crepes, etc.
  • O pão é um dos alimentos mais difíceis de substituir, já que é a base da alimentação em muitas culturas. O primeiro passo então é reduzir a quantidade, e pouco a pouco substitui-lo por outros alimentos semelhantes e com menos farinha. Também podemos aprender a preparar torradinhas à base de sementes (chia, linho, girassol). Triture as sementes, misture-as em um pouco de água para preparar um macarrão, que deverá ser estendido em uma bandeja e levado ao forno a uma temperatura baixa (de aproximadamente 50 graus) durante meia hora, até adquirir uma textura crocante.

Imagens oferecidas por tzejen, xavi talleda e [email protected]