Quando as amizades expiram, quando o amor se apaga

Quando as amizades expiram, quando o amor se apaga

É possível que tanto o amor quanto determinadas amizades acabem por esfriar. Ao invés de afundar, você deve tirar forças da fraqueza e seguir em frente. Acima de tudo, você tem a si mesmo.
Quando as amizades expiram, quando o amor se apaga

Quando as amizades expiram e o amor se apaga, algo em nós morre.

Ninguém está preparado para a perda, nem para o desprendimento de um vínculo que, não faz muito tempo, era muito importante para nós.

Nosso cérebro está programado geneticamente para se conectar às pessoas. É assim que sobrevivemos, como aprendemos e como avançamos ao longo de nosso ciclo vital.

No entanto, enquanto nosso cérebro se aferra ao permanente, esquecemos algo essencial: que a vida flui, que as coisas mudam e que, às vezes, é necessário se transformar.

Acabar com uma relação de amizade que foi básica para nós pode desencadear um período de confusão e tristeza.

Porque uma amizade é algo íntimo, algo que nos edifica, que nos traz alegrias e apoio emocional. No entanto, às vezes, os imprevistos da vida ao iniciar novos interesses fazem com que, pouco a pouco, certas amizades esfriem ou expirem.

O mesmo ocorre com as relações afetivas. Pode ser que exista uma traição, uma decepção ou pode ser que, por muito que nos doa, o amor se apague em um dos membros, sem que saibamos muito bem como.

Dar um passo para a frente é obrigatório nesses casos. Ainda que seja difícil para nós, ainda que o quebra-cabeça de nossa vida esteja fragmentado.

Explicaremos como fazer isso.

Quando as amizades expiram

Pode parecer curioso, mas a amizade tem um significado diferente para homens e mulheres. Essa diferença não quer dizer que para um gênero seja mais importante do que para o outro.

  • Tem a ver com sua implicação. Por exemplo, segundo um estudo realizado pela University College London (Reino Unido), a amizade tem um efeito calmante para as mulheres.
  • A amizade com outras mulheres serve para a mulher como alívio do estresse, como forma de relativizar os problemas, a ansiedade. O vínculo tem uma intensidade que transcende o mundo emocional.
  • Por sua vez, os homens veem a amizade como algo mais instrumental: realizar atividades em conjunto, fazer planos para momentos de ociosidade, iniciar objetivos profissionais…
  • No caso dos homens, valorizam mais a família ou a própria parceira para se acalmar, para encontrar intimidade, e uma intimidade mais profunda.

Talvez por isso o impacto pessoal no caso das mulheres ao perder uma amizade possa ser, a médio prazo, mais intenso.

Descubra: 7 estratégias das pessoas que nos maltratam

Como enfrentar o fim de uma amizade

menina_por_do_sol_areia

Uma amizade não se substitui por outra: deixa-se ir. Isso é algo que devemos entender. Deixar de se relacionar com alguém implica saber virar a página e avançar.

  • Cada pessoa, cada amizade e cada vínculo nos oferece coisas determinadas. Por isso, não devemos buscar em um amigo o que outro nos oferecia. Deixe que cada um seja como desejar e que atue com autenticidade.
  • Aceite que existem vínculos que expiram com o tempo, e que isso não é ruim.
  • As pessoas amadurecem, temos outros interesses e, às vezes, até decidimos que há amigos que já não nos oferecem coisas positivas, mas sim o contrário.

Às vezes, deixar algumas amizades também é crescer. O importante é ficarmos com as pessoas que importam de verdade.

Leia também: 7 perguntas para se aproximar da felicidade

Quando o amor acaba

moca_gas_vermelho

Quando o amor acaba, rompem-se os ossos invisíveis que sustentavam sua alma, o pulmão que lhe dava ar e as asas que lhe faziam sentir-se vivo.

  • Ninguém sabe por quê, nem como, mas acontece. O amor se desvanece à vezes, como o orvalho some com o sol do meio-dia.
  • Quando isso acontece, nos aferramos à esperança. “É possível que, seu eu fizer ou disser isso, volte para mim”, “pode ser que, se eu mudar minha maneira de ser, me queira novamente…”
  • Não é o adequado, esse tipo de conduta só consegue intensificar um ciclo de negatividade, falsas esperanças e dor.

Se o amor acaba, devemos deixar isso claro ou devemos exigir que nos deixem isso claro. Esse é o final, mas também o ponto de partida.

Descubra também: Carinho é tocar com respeito a alma do outro

Como enfrentar o fim de um amor

O fim de uma relação afetiva não se supera de um dia para o outro. São necessários de seis meses a dois anos. Ainda que existam muitas diferenças individuais, também existe uma série de estratégias que podem nos ajudar.

  • Aja com dignidade: se você sabe que não é amado, aceite e inicie o luto.
  • Olhar adiante não é fácil quando deixamos tantas coisas para trás.
  • No entanto, antes de se alimentar de nostalgia ou da linguagem condicional (pode ser que, se eu fosse, se eu dissesse, talvez pudesse…) devemos falar no presente.
  • Mereço ouvir-me, cuidar de mim e reconstruir meus pedaços fragmentados.
  • Vou me apoiar na minha família, em meus amigos, neste presente em que devo definir novos objetivos para construir uma nova felicidade.

O tempo e nossa atitude cicatrizarão essas feridas, e a vida, com seu rumos e suas belezas, voltará a preencher esse vazio em seu coração.