O amor só faz sentido quando é compartilhado

O amor só faz sentido quando é compartilhado

Assim como recebemos dos outros, devemos aprender a compartilhar e demonstrar nosso carinho usando mais do que palavras, com atos tangíveis.
O amor só tem sentido quando compartilhado

Parece uma frase feita: “o amor só faz sentido quando é compartilhado”. Porém, ainda que seja comum falar de amor em nosso dia a dia, na realidade não são muitos os que sabem oferecê-lo de forma efetiva ou enriquecedora.

Ou, ainda mais, não entendem que o amor é a capacidade mais íntegra de dar e compartilhar afetos sem causar danos. Não estamos falando exclusivamente de relações entre casais; pensemos também em pais que dizem “amar” seus filhos, mas que só conseguem educar crianças que sofrem.

Não saber entender, não oferecer um amor que convide a pessoa a crescer, a se sentir parte de algo e ter raízes, nos faz andar como seres perdidos, nus de um afeto que oferece segurança e reconhecimento.

O amor que não se compartilha, o que não sabe se doar de forma íntegra, nos leva à solidão e ao sofrimento. Por isso, convidamos nossos queridos leitores a refletirem um pouco mais a respeito desse tema.

O amor modifica seu cérebro

amor-entre-menino-e-urso

São muitos os especialistas, psiquiatras, sociólogos e antropólogos que nos lembram que o homem, quando vem ao mundo, é nobre por natureza.

Sabemos que essa ideia cai muito na tendência da psicologia positiva, mas se considerarmos o enorme peso que há no cérebro de um bebê, os estímulos, os afetos, a educação, as experiências prévias e inclusive a própria sociedade, entendemos muitas vezes o porque de determinados comportamentos.

O amor modifica, de um modo muito intenso, diversas estruturas de nosso cérebro. Mais de dez áreas podem ser afetadas se, ao longo de nosso desenvolvimento, só encontrarmos carência ou rejeição.

  • Um cérebro que não encontra estímulos positivos relacionados ao amor não se desenvolve como deveria, porque estamos vetando o crescimento das áreas relacionadas às emoções.
  • Um cérebro que recebe de forma regular estímulos negativos é uma mente submetida ao estresse e à ansiedade. Isso limita, por exemplo, o amadurecimento correto da criança. Não absorverá conhecimentos e informações com a mesma facilidade que outra criança educada em um contexto harmonioso e com amor.

Deixemos de lado agora esse amor do qual todos precisam na infância, pensemos no impacto que as relações afetivas carregadas de sofrimento e maus tratos têm sobre o ser humano.

Recomendamos a seguinte leitura: O dom de ser mulher depois dos 40

São muitas as relações de casal baseadas em um amor que causa sofrimento, que controla, que causa medos e receios.

  • Pode ser que você se surpreenda, mas um cérebro adulto submetido de forma prolongada a esse tipo de estímulos passa por uma série de mudanças bioquímicas muito notórias, similares ao estresse pós-traumático.
  • Uma pessoa que vive submetida a uma situação de maus tratos emocionais, onde o amor não é sincero ou simplesmente não há reciprocidade, desenvolve problemas de sono e de memória, ansiedade, uma queda da autoestima e, inclusive, uma redução da estrutura cerebral relacionada às emoções: o hipotálamo.

O amor que é compartilhado torna nosso mundo maior

O amor que sabe ser compartilhado nos faz melhores por dentro e por fora, porque é dessa forma que tudo ganha sentido, assim como as relações positivas se cuidam e se fortalecem.

Amar é saber compreender e ver os demais como a si mesmo

Todos nós merecemos três coisas na vida: ser amados, respeitados e reconhecidos.

Se hoje você conta com uma ou mais pessoas que oferecem tudo isso, não deixe que elas escapem, porque isso é o que todo ser humano precisa no mundo. Essa é uma lei universal.

Amar é, antes de tudo, enxergar aos demais como a nós mesmos. Todos sabemos que o desprezo dói, que não saber respeitar causa sofrimento, e que vetar o espaço pessoal é limitar o crescimento interior que todos merecemos experimentar.

Descubra também como é O amor segundo o seu tipo de personalidade

Amar e saber amar não são a mesma coisa

Pode ser que em algum momento de sua vida você tenha conhecido alguém que dizia que o amava e, porém, nunca soube fazer isso da forma correta.

  • Algumas pessoas pensam que o amor é apenas uma dimensão que se compartilha sem nada mais, e que não requer esforços cotidianos.
  • Não é por ser pai, mãe, irmão ou cônjuge, que tudo está pronto. Amar é saber escutar, atender, estar quando o outro precisa e demonstrar isso todos os dias nos atos mais simples.
  • O amor deve ser visto e notado. Em ocasiões, as palavras não têm transcendência se não são acompanhadas por atos que as confirmem.

amor-compartilhado-entre-pessoas

Com certeza você conhece muitas pessoas que o amam e que você ama em sua vida. Não se esqueça de que é necessário cuidar bem delas, melhor do que cuidamos de tesouros. Porém, não se esqueça de que você também merece amor e reconhecimento.

O amor que é compartilhado é um ato grandioso; todos que o recebem só têm a ganhar.