Como lidar com as crises de enxaqueca? - Melhor com saúde

Como lidar com as crises de enxaqueca?

A enxaqueca caracteriza-se por uma dor pulsante em um dos lados da cabeça e em alguns casos, nos dois, geralmente acompanhada de fotofobia e fonofobia, náusea e vômito. 

Para mais de 300 milhões de pessoas que sofrem de enxaqueca, ou 2% da população mundial, a dor característica dessa cefaleia debilitante dispensa descrição.

A duração da crise varia de 4 a 72 horas, podendo ser mais curta em crianças. De acordo com alguns estudos, de 5 a 25% das mulheres e 2 a 10% dos homens têm enxaqueca.

A enxaqueca é predominante em pessoas com idades entre 25 e 45 anos, sendo que após os 50 anos essa porcentagem tende a diminuir, principalmente em mulheres.

A doença ocorre em 3 a 10% das crianças, afetando igualmente ambos os gêneros antes da puberdade, mas com predomínio no sexo feminino após essa fase.

Principais causas

A enxaqueca é causada por uma contração exagerada da parede de pequenas artérias do cérebro, ocasionando a falta transitória de oxigênio e nutrientes.

Com isso, aparecem dores e manifestações de deficiências neurológicas focais, como manchas claras ou escuras na visão, dormência em áreas restritas da face ou corpo, tonturas ou alterações de consciência e do equilíbrio.

Pessoas que vivem sob forte estresse podem sofrer muito com a enxaqueca, mas isto não é a causa principal.

As principais causas mais comuns:

  • Estresse;
  • Jejum prolongado;
  • Dormir mais ou menos que o de costume;
  • Mudanças bruscas de temperatura e umidade;
  • Perfumes e outros odores muito fortes;
  • Esforço físico;
  • Luzes e sons intensos;
  • Abuso de medicamentos, incluindo analgésicos;
  • Fatores hormonais: é comum mulheres portadoras de enxaqueca apresentarem dor nas fases pré, durante ou após o período menstrual. Esse tipo é chamado de enxaqueca menstrual e tende a melhorar espontaneamente na menopausa. Muitas mulheres têm as crises pioradas, ou melhoradas, a partir do momento que iniciam o uso de anticoncepcionais orais;
  • Alimentos e bebidas: queijos amarelos envelhecidos, frutas cítricas (principalmente laranja, limão, abacaxi e pêssego), carnes processadas, frituras e gorduras em excesso, chocolates, café, chá e refrigerantes à base de cola, aspartame (adoçante artificial), glutamato monossódico (tipo de sal usado como intensificador de sabor, principalmente em comida chinesa), excesso de álcool.
Despertador

Distúrbios nos padrões do sono podem desencadear incômodas crises de enxaqueca, por isto, é importante manter o padrão do sono, deitando-se e levantando-se todos os dias no mesmo horário e dormindo pelo menos 8 horas por dia.

A enxaqueca, quando associada à hipertensão e ao sedentarismo, pode aumentar o risco de acidentes vasculares cerebrais (AVCs). Por isso, especialistas alertam que se a dor de cabeça for crônica ou forte demais, é bom procurar um especialista para realizar exames clínicos.

Sintomas mais comuns

  • A crise de cefaleia dura de 4 a 72 horas, unilateral e pulsante;
  • Náusea;
  • Vômitos;
  • Bocejos;
  • Irritabilidade;
  • Sensibilidade à luz;
  • Sensibilidade ao som;
  • Sensibilidade ao movimento do corpo ou do ambiente;
  • Tontura;
  • Fadiga;
  • Mudanças de apetite;
  • Problemas de concentração, dificuldade para encontrar as palavras.

Diagnostico e tratamento

O diagnóstico da enxaqueca é feito clinicamente. Para ser diagnosticada, o paciente precisa apresentar pelo menos cinco crises com essas características:

  • Crise de cefaleia durando de 4 a 72 horas (tratamento fracassado ou não realizado);
  • Cefaleia geralmente unilateral e pulsante;
  • Dor de intensidade moderada a intensa;
  • Dor agravada ou impedindo atividade física rotineira (caminhada, subir escadas, etc);
  • Durante a cefaleia, ocorrência de pelo menos um destes sintomas: náusea e vômitos, fotofobia e “fonofobia”.
  • Nenhum outro diagnóstico que explique a cefaleia.

Técnicas alternativas para aliviar a enxaqueca

  • Massagem aérea ao redor dos olhos – Feche os olhos. Coloque os dedos médios para os seus olhos. Massageie a área suavemente, mas firmemente em movimentos circulares por 1 minuto.
  • Massagem na região do nariz e olhos – Usando polegar, vá ao longo da parte inferior das sobrancelhas (ao longo do osso em cima da órbita). Sinta onde este osso encontra a ponte de seu nariz e olhos e encontre um ponto onde há um recuo pequeno. Pressione esse ponto de maneira bem suave, com os polegares. Você pode realizar esta massagem quatro vezes e pressionar a área por 10 segundos por vez.
  • Massagem no pescoço – Massageie um ponto do pescoço onde você possa sentir dores, movendo os dedos médios das mãos, a base de seu crânio. Realize o processo por alguns minutos, usando as pontas dos dedos de modo suave, em movimento circular.
  • Massagem no couro cabeludo – Com a palma de suas mãos, massageie o couro cabeludo na parte superior de seu crânio por um minuto, delicadamente.
(Foto: ShiokDeal.com / Flickr)

(Foto: ShiokDeal.com / Flickr)

Depois de realizar todas as massagens citadas, comece a respirar profundamente. Levante os ombros até a altura dos ouvidos por 5 a 10 segundos para o alívio da dor remanescente, e depois relaxe-os

  • Exercícios – Uma vida sedentária pode tornar as pessoas mais suscetíveis ao surgimento das enxaquecas, portanto, pratique atividades físicas regulares. Aulas de ioga, pilates e outras técnicas de relaxamento também podem ajudar;
  • Sono – Se por um lado ficar parado demais faz mal, descansar menos que o necessário também o faz! Dê prioridade à sua saúde, mantendo uma rotina de sono adequada, a exaustão faz mal de muitas formas e causar enxaqueca pode ser uma delas;
  • Controle do estresse – É grande o número de pessoas que são acometidas por enxaqueca devido a alterações emocionais. Se você tem estado muito nervoso ou depressivo, procure cuidar desses sintomas, é muito provável que eles estejam causando as crises de enxaqueca.
  • Luz artificial – Ficar muito tempo em ambientes iluminados artificialmente ou em frente a telas de TV, celulares e principalmente computadores, pode favorecer o surgimento ou mesmo agravar os sintomas de vários tipos de cefaleia, inclusive os da enxaqueca.
  • Compressão – Alguns casos de enxaqueca têm início devido à compressão no couro cabeludo, por acessórios como capacetes, chapéus, bonés, enfeites ou óculos. Para saber se é o seu caso, basta retirar o que estiver exercendo pressão na cabeça e avaliar se houve alívio.
  • Mantenha uma dieta saudável – Há quem tenha crises desencadeadas por alimentos, já que são capazes de provocar reações nos vasos sanguíneos e nervos.

Alimentos como laticínios, chocolate, ovos, frutas ácidas, carne, principalmente de porco, trigo (pão, massas, etc), frutos de casca rija ou amendoins, tomates, cebolas, milho, maçãs e bananas podem desencadear enxaquecas.

Algumas bebidas ou aditivos também provocam dores de cabeça, tais como as bebidas alcoólicas (especialmente vinho tinto) e bebidas com cafeína (café, chás e colas). Experimente eliminar os alimentos suspeitos, para melhorar o quadro, e em seguida reintroduzi-los aos poucos na dieta, a fim de detectar os responsáveis.

Além de evitar certos alimentos, procure consumir os que são comprovadamente seguros e saudáveis, mantendo uma dieta equilibrada.

A ingestão de vitamina C pode ajudar a evitar e aliviar os sintomas (tome cuidado para não extrapolar o limite diário). Também existe uma mistura de 2 componentes naturais recomendada tanto para atenuar como prevenir a enxaqueca – 200 ml de água de coco (de verdade, não industrializada, para hidratar) com uma colher de chá de pó de gengibre (que é o principal ingrediente, pode ser também tomado como chá).

Não deixe de procurar uma orientação médica de acordo com o surgimento e persistência dos sintomas.