Aveia: como consumi-la? - Melhor com Saúde

Aveia: como consumi-la?

Ainda que a aveia crua seja mais rica em vitaminas e minerais, a aveia cozida é muito mais aconselhável para as pessoas que têm problemas para mastigar.
Aveia

A aveia é um cereal que constitui um excelente alimento para adultos e crianças, não apenas por seu alto teor nutricional, mas também pelos benefícios que oferece para a nossa saúde e por seu baixo custo. Por isso, ainda que costume ser servida no café da manhã, seu consumo é recomendável a qualquer hora do dia.

Porém, uma pergunta importante para quem está interessando na alimentação é: Como consumir a aveia? Crua ou cozida? Afinal, sabemos que cozinhar alguns alimentos pode diminuir seu valor nutricional. A seguir compararemos as vantagens e desvantagens do consumo de ambos os tipos de aveia, e que vença a melhor!

O valor nutricional

Crua ou cozida, a aveia é uma grande fonte de nutrientes e de energia. Uma porção de aveia é capaz de oferecer proteínas, minerais, vitaminas (ainda que em menor quantidade), fibra solúvel, gordura e carboidratos. De todas as suas propriedades podemos destacar a importância da fibra solúvel, que ajuda a combater a prisão de ventre recobrindo o intestino com uma camada protetora que facilita a passagem dos rejeitos; ajuda também a evitar o ganho de peso ao proporcionar uma sensação de saciedade; e mantém o colesterol sanguíneo sob controle, com a ajuda dos ácidos graxos monoinsaturados e poliinsaturados.

Uma dessas fibras solúveis – os betaglucanos – são responsáveis por equilibrar o nível de glicose e de lipídios no sangue. Outro elemento muito importante são os carboidratos, pois os que a aveia possui demoram mais tempo do que o normal para chegar no sangue, o que a torna ideal para atletas e diabéticos.

Mas a aveia crua tem uma ampla vantagem sob a aveia cozida com respeito a suas propriedades nutritivas. Assim, ainda que tenhamos visto que ambos os tipos de aveia possuem os mesmos nutrientes, a aveia crua é capaz de conservá-los em maior quantidade.

Ao cozinhar a aveia não perdemos apenas muitos de seus minerais e de suas fibras, mas também perdemos muitas de suas enzimas, as quais ajudam na digestão e na eliminação de toxinas do organismo; também perdemos outros elementos como a vitamina C, a vitamina E e o selênio, um mineral rico em antioxidantes que previnem o câncer, o envelhecimento e os problemas cardíacos.

O sabor e a digestão

Neste ponto a aveia cozida parece levar mais vantagem. Ela não tem apenas um sabor melhor, como também é muito mais fácil de mastigar e de digerir. Assim, muitas pessoas sentem mais dificuldade para mastigá-la crua – já que não foi suavizada pelo processo de cozimento – e apresentam mal-estar como gases, dor e prisão de ventre após o consumo.

Porém, nem tudo está perdido para a aveia crua, pois cada um desses inconvenientes pode ser enfrentado sem dificuldades. Por exemplo, é possível suavizar a aveia crua sem cozinhá-la: basta deixá-la de molho durante algumas horas (duas xícara de água para uma de aveia), para posteriormente bater no liquidificador.

Adicionalmente, ela pode ser adoçada com açúcar e mel, melhorando seu sabor. Por outro lado, a aveia pode ser misturada com iogurte, frutas e outros alimentos, assim seu sabor deixa de ser um problema.

Quem ganha? A aveia crua!

A vencedora desta batalha é a aveia crua. Apesar de seu sabor e textura serem bem inferiores aos da aveia cozida, a possibilidade de melhorá-los junto com sua indiscutível superioridade quanto ao valor nutricional fazem da aveia crua o alimento perfeito para manter o corpo saudável e cheio de energia!

Imagem oferecida por Sebastian Tauchmann