Muito barulho pode ser prejudicial e causar perda auditiva

Muito barulho pode ser prejudicial e causar perda auditiva

Ainda que a perda auditiva seja um processo normal que vai ocorrendo com o passar do tempo, ele também pode ocorrer de forma precoce por uma exposição prolongada a ruídos fortes ou por alguma doença.
Muito barulho pode ser prejudicial e causar perda auditiva

Nossas células nervosas sofrem com o barulho extremo e, como consequência, pode ocorrer uma perda auditiva.

O que ocorre com elas é o mesmo que ocorreria com as fibras de um tapete muito macio se colocássemos durante muito tempo um móvel em cima dele: nunca voltariam para a sua posição original.

A vida moderna é barulhenta. Hoje em dia é impossível escapar do inferno do trânsito, dos aviões, dos trens, das fábricas, dos buracos que surgem nas ruas, etc.

A intensidade e a constância desses barulhos são esmagadoras, o que sem dúvidas torna-se preocupante pela perda de audição que deriva desta submissão constante.

Além disso, a situação não só afeta a nossa capacidade auditiva, como também o nosso comportamento. Com tal quantidade de barulho o estresse, a hipertensão, a ansiedade e os sentimentos de desamparo se tornam mais comuns.

Devemos saber que o barulho é especialmente estressante quando é imprevisível ou incontrolável.

Problemas-de-audição

A audição, um fascinante processo perceptivo

Ouvir é algo maravilhoso que fazemos todos os dias sem pensar a respeito. Transformamos as ondas de pressão do ar em impulsos nervosos que o cérebro interpreta como se fosse uma sinfonia de sons com significado.

Somos capazes de perceber desde o som que ocorre na tecla de um piano até o zumbido de um pequeno mosquito. Captamos como as moléculas de ar se chocam entre si e as transformamos em sons.

As ondas sonoras viajam através do conduto auditivo e produzem vibrações minúsculas no tímpano por meio de uma sequência mecânica de acontecimentos.

Estas vibrações são transmitidas através do ouvido médio até a cóclea cheia de líquido, criando movimentos nas células ciliadas, as quais causam estímulos nervosos que chegam ao cérebro.

Como vemos, o ouvido tem uma intricada e delicada estrutura, a qual o torna vulnerável a certas lesões a nível mecânico (surdez de condução) e a nível nervoso (surdez neurosensorial).

A perda auditiva

A perda auditiva relacionada com o dano nos condutos acústicos ou com os transtornos nervosos pode ocorrer devido à exposição prolongada a ruídos fortes e a doenças ou transtornos associados à idade.

Neste sentido, vale ressaltar que todos nós perdemos a capacidade auditiva com o passar dos anos. Assim, a gama de audição que percebemos dependerá da idade.

Quanto mais velhos somos, pior escutamos as frequências mais altas. É curioso e divertido realizar este teste entre diferentes pessoas do nosso entorno.

Ainda assim, a exposição a sons prolongados de intensidade superior aos 85 decibéis pode causar a perda da audição, que pode derivar em uma surdez neurosensorial.

Para que façamos uma ideia aproximada:

  • 20 decibéis equivale a um suspiro.
  • 40 decibéis ao som habitual de uma casa.
  • 60 decibéis a uma conversa normal.
  • 80 decibéis ao som de um cruzamento em uma rua movimentada.
  • 100 decibéis a um trem subterrâneo a 6 metros.
  • 110 decibéis a um avião a 150 metros.
  • 120 decibéis a um trovão alto.
  • 140 decibéis a um grupo de rock ouvido muito de perto.

Escutar-música

O envelhecimento e o excesso de barulho destroem as células ciliadas

A destruição das células ciliadas não pode ser revertida nos seres humanos ainda que, segundo foi descoberto, existam animais como os tubarões e os pássaros que podem regenerar suas células auditivas.

Assim, os cientistas descobriram que certas formas de estimulação química parecem regenerar estas células em cobaias e crias de ratos, portanto pode ser que algum dia consigamos “enganar” á cóclea humana para regenerar nossas células.

Porém, até agora a solução para restaurar a audição na surdez neurosensorial é implantando uma espécie de ouvido biônico denominado implante coclear.

Viver em um mundo silencioso: a cultura dos surdos

As pessoas com perda auditiva formam um grupo muito heterogêneo, não só porque existem diferentes graus de capacidade auditiva, mas também porque existe quem nunca ouviu e quem já ouviu alguma vez na vida.

Assim, enquanto as pessoas que sempre foram surdas compartilham a cultura dos surdos e se comunicam com o resto do mundo com fluidez e sem dificuldade, as pessoas que deixaram de ouvir percebem sua nova condição como uma incapacidade.

As pessoas que sofrem perdas auditivas habitualmente enfrentam grandes desafios sociais que precisam aprender a gerenciar.

É importante que diante da perda auditiva ocorra um trabalho em cima da autoestima e de potencializar a comunicação com os demais, ainda que exista o abismo do silêncio.

Dicas para cuidar da saúde auditiva

Para cuidar da nossa saúde auditiva é aconselhável considerarmos as seguintes recomendações:

  • Não escute vários recursos sonoros ao mesmo tempo e mantenha-os sempre em um volume baixo.
  • Não use reprodutores de música durante mais de uma hora e limite o volume a, no máximo, 60% de sua capacidade.
  • Use proteção auditiva sempre que precisar.
  • Cuide dos ouvidos quando apresentar gripes, resfriados ou infecções.
  • Use tampões e seque os ouvidos depois de banhos de piscina ou praia para limitar a umidade no conduto auditivo.
  • Não introduza objetos nos ouvidos, nem sequer cotonetes de algodão, pois podem perfurar a membrana ou o tímpano.
  • Revise a audição periodicamente como método de prevenção.