Dormir perto do celular é ruim? - Melhor com Saúde

¿Dormir perto do celular é ruim?

Se você não quiser desligar o celular durante a noite, pelo menos desconecte-o da internet e mantenha-o a um metro da cama.

No mundo em que vivemos, é cada vez mais imprescindível o uso do celular. Tanto é que não o deixamos para nada, faça sombra ou faça sol. O levamos em cada lugar em que vamos e se o esquecemos nos sentimos nus. Não o desligamos em nenhum momento do dia e dormimos com ele grudado na cabeceira. Mas, esse hábito pode ser prejudicial para a saúde. ¿Gostaria de saber se é ruim dormir perto do celular? Conheça a resposta neste artigo.

Se você é uma das muitas pessoas que dormem com o celular do lado da cama, isso poderia estar causando muitos problemas (imperceptíveis inicialmente) em sua saúde. As radiações presentes nos smarthphones são realmente perigosas e nada aconselháveis. E isso é assim em qualquer hora do dia, porém, quando estamos dormindo pode influenciar em pesadelos, insônia, e no ato de acordarmos várias vezes durante a noite, dentre outras consequências.

¿E porque isso acontece? Por uma alteração no sistema de auto-regulação de certos processos como, por exemplo, o do relógio biológico ou dos ritmos circadianos.

A Organização Mundial de Saúde indicou que os aparelhos eletrônico em geral (não apenas os celulares) são ruins para o organismo e podem aumentar as possibilidades de desenvolvermos câncer. Por sua vez, têm efeitos tóxicos reconhecidos por muitos pesquisadores. Além disso, é preciso ter conhecimento de que os celulares se baseiam em radiações ionizantes e longitudes de onda.

Uma pesquisa desenvolvida na Austrália demonstrou que há uma relação importante entre o uso dos smartphones e a esterilidade nos homens, bem como na redução da qualidade do esperma. E em ambos os sexos ocorre um aumento dos quadros de estresse.

Mais além de ter o relógio do despertador ativado no celular, é preciso desligá-lo durante a noite, porque por mais que não o usemos ele igualmente utiliza radio-bases ou radiofreqüências. Isto quer dizer que os celulares estão continuamente radiando ondas eletromagnéticas ao seu redor, e não apenas quando os utilizamos. Colocá-lo perto da cabeça ao dormir é uma forma de nos “contagiarmos” com essas ondas que não nos fazem nada bem.

Dormir

¿Como e onde deixar o telefone ao dormir?

Há duas opções: a primeira é desligar o celular e deixá-lo no lugar de sempre (no criado mudo ou qualquer outro lugar), sempre considerando que o despertador esteja igualmente programado. A segunda é deixá-lo ligado porém longe, em outro cômodo, seja na cozinha ou na sala. Essa alternativa é menos recomendável.

Se você não se sente confortável desligando o celular porque precisa se comunicar com alguém em caráter de urgência durante a madrugada, você pode pelo menos desligar a conexão com a internet, que é algo mais perigoso do que as radiofreqüências quando está ligado.

Especialistas indicam que o celular deve estar a pelo menos um metro de distância do nosso corpo enquanto dormimos. Podemos deixá-lo, por exemplo, em cima do sofá ou de uma cadeira.

Outra questão a considerar, e que muitos fazem, é que não se pode deixar o celular carregando durante a noite enquanto o deixamos debaixo do travesseiro. São muitos os casos de pessoas que queimam o rosto ou as mãos devido a sobrecargas e posterior incêndio de seus dispositivos.

Os travesseiros são fabricados com um material que entra em combustão muito rápido e isso nos coloca em risco enquanto dormimos, já que nesse momento não somos conscientes do que acontece ao nosso redor.

Outro risco de deixar o celular na mesa de cabeceira a noite é que isso aumenta nossos níveis de ansiedade, ficamos vigilantes e na expectativa do que acontece a cada instante, acordamos no meio da noite para checar nosso email ou as redes sociais cada vez que chega uma notificação, etc.

Essa é uma mudança na conduta e nos hábitos a longo prazo que traz como conseqüências estresse, insônia, falta de concentração, problemas cognitivos, carência de produtividade, irritabilidade, pesadelos, dores de cabeça, etc.

Outros hábitos “mais saudáveis” na hora de usar o celular são:

  • Preferir as chamadas curtas e caso se estendam muito, mudar de orelha após alguns minutos.
  • Se possível, realizar chamadas no viva-voz para que não tenha que manter o celular próximo à cabeça.
  • Evitar que as crianças usem o celular, para nada, nem para jogar.
  • Não falar com o Smartphone em uma região com pouco sinal de recepção, já que o aparelho terá que emitir radiofrequências mais potentes.
  • Não levar o celular junto ao corpo (principalmente no caso dos homens, que colocam no bolso do paletó) e nem em contato com a pele.
  • Afastá-lo, mesmo que seja meio metro, em nosso ambiente de trabalho ou na mesa.

É preciso deixar o celular descansar um pouco, e devemos aproveitar para descansar também. Durante a noite, devemos nos concentrar em dormir e relaxar para recarregar as energias que perdemos durante todo o dia. Assim, é melhor que o telefone fique desligado até a hora de levantarmos ou até a hora de sairmos de casa para trabalhar.

tecnologias

Dessa forma estaremos evitando desequilíbrios no plano neural, na qualidade do sono e nos níveis de estresse. Os resultados dos estudos a respeito do uso do celular ainda não estão totalmente claros, porém, o que já se sabe a respeito é o suficiente para nos alarmarmos.

E não se esqueça que os demais eletrodomésticos na casa também podem ser nocivos para a saúde. O melhor é não manter televisores ou computadores em seu quarto, mas se você já tiver opte por desligá-los antes de dormir, por exemplo. Desligue o roteador quando for deitar e tente não usar o celular até o último instante antes de fechar os olhos.