Como identificar as pintas perigosas? - Melhor Com Saúde

Como identificar as pintas perigosas?

Fique atento a possíveis alterações que possam ocorrer em suas pintas. Para evitar perigos, utilize protetor solar, não se exponha a luzes untravioletas diretas e nem faça uso de camas de bronzeamento artificial.

Na pele podemos encontrar distintos crescimentos cutâneos de diferentes cores (desde tons laranja até tons escuros), estes crescimentos podem ser protuberantes ou planos e chamamo-os  de “pintas”. É comum encontrá-las na maioria das pessoas.

Por que a preocupação?

Ainda que seja comum encontrar pintas nas pessoas, algumas delas podem ser perigosas ou podem chegar a serem melanomas (cancerígenas). Por isso, é muito importante observar nossas pintas e, depois de ler este artigo, prestar mais atenção à pele, pois caso encontre qualquer anomalia, visite um dermatologista.

Entre as três formas em que o câncer de pele aparece, a mais perigosa é a forma do melanoma, já que pode se propagar mais facilmente e chegar a ser muito agressivo. Além disso, esta apresentação do câncer é muito perigosa quando aparecem células encarregadas de dar cor a pele (pintas, sardas, manchas de nascimento).

Como identificar os sinais de um possível melanoma?

1. A assimetria

Se ao analisar uma pinta ou uma marca de nascimento você encontrar uma forma assimétrica em que esta se divide em duas metades, mas não são iguais, esta pinta pode representar um possível melanoma. Por quê? A maioria das pintas apresenta uma forma de esfera ou de círculo e, em geral, portanto, pode ser possível que uma pinta ou marca que não tenha esta forma seja perigosa.

2. O tamanho

Geralmente, as pintas podem ter até 1 cm de diâmetro. Se uma das suas pintas apresenta um tamanho maior ou se você notar que ela está crescendo, fique atento às mudanças ou vá ao dermatologista.

3. Uma pinta inesperada: cuidado!

Se na sua pele aparecer de súbito uma pinta e ela começar a ficar escura, fique atento e visite o dermatologista. É possível que você tenha índice de malignidade.

4. A cor: tons homogêneos.

As pintas normais, na maioria dos casos, apresentam uma coloração homogênea, igual em toda a sua área. Se você observar uma pinta com várias cores, procure o médico especialista. Possivelmente trata-se de uma pinta cancerígena.

5. Uma pinta com sintomas: inflamação, dor, sangramento ou picadas.

Neste caso, preste atenção às mudanças que acontecem. Sem dúvida faça uma visita de imediato a um dermatologista, pois estes sinais podem indicar uma disfunção mais séria (maligna).

6. As bordas: não definidas ou irregulares.

Se a pinta não mostra com clareza seu início ou seu fim, ou se as bordas da pinta não estão bem definidas, também preste atenção. Pode se tratar de uma pinta perigosa, pois as pintas benignas estão bem definidas.

7. Antecedentes na família: seja cuidadoso!

Se na sua família existem casos de câncer de pele ou pintas perigosas, é muito importante que você vá ao dermatologista. Mesmo que as pintas não sejam hereditárias, membros da mesma família podem compartilhar o mesmo tipo de pele e algumas sensibilidades nela, seja cuidadoso.

Recomendamos

Bloqueador

É importante aplicar o bloqueador solar sempre que sair de casa, inclusive se não existe exposição direta ao sol.

Para evitar o surgimento de manchas malignas, use protetor solar com frequência moderada, evite se expor as luzes UV diretas e evite o uso de produtos que podem prejudicar sua pele, e também não utilize câmaras de bronzeamento ultravioleta.

Lembre-se!

Se ao ler este artigo você encontrar alguns dos fatores de risco na sua pele, visite um dermatologista. O tempo é um fator importantíssimo para realizar um possível tratamento.