Inteligência emocional para momentos difíceis da vida

Inteligência emocional para momentos difíceis

O bom da inteligência emocional é que pode ser aprendida e adquirida, assim, se não somos felizes, podemos propiciar a mudança para melhor com nossos próprios meios.
Inteligência emocional para momentos difíceis

A inteligência emocional é a melhor estratégia para melhorar nossa qualidade de vida. Já que todos passamos por momentos de grande complexidade pessoal, nada melhor do que nos destacarmos como hábeis gestores no mundo das emoções.

Assim como se costuma dizer, as emoções podem chegar a ser nossa melhor fortaleza, ou, pelo contrário, nossa maior fraqueza. Tudo depende de como as usamos em nossas realidades particulares.

Algo que devemos levar muito em conta é que dimensões psicológicas como a tristeza, o medo ou a raiva não são tão negativas quanto pensamos.

São, afinal de contas, “toques de atenção” que nos avisam de que algo vai mal. São essa luz de alerta diante da qual é preciso saber reagir, gerir e transformar, sem permitir que nos dominem por completo.

Hoje, em nosso espaço, queremos dar dicas e estratégias adequadas para que você se revista com essa armadura dourada e eficaz com a qual enfrentar esses momentos de obscuridade pessoal.

Inteligência emocional: sua chave para as portas fechadas de sua felicidade

Se você deseja se aprofundar nas sempre interessantes e úteis teorias sobre a inteligência emocional, recomendamos livros como “Inteligência emocional” ou “Como ser um líder”, ambos de Daniel Goleman, ou “A Força da Intenção” de Wayne W. Dyer.

Todos nos darão excelentes conhecimentos para permitir essa mudança pessoal com a qual poderemos ser mais felizes e produtivos em cada um de nossos contextos, seja o laboral, o pessoal ou o afetivo.

Recomendamos ler “Deixar ir não é se dar por vencido, é deixar ir o que não pode ser

Por nossa parte, oferecemos pequenos tópicos para o dia a dia com os quais fazer desses instantes, em que nos sentimos indefesos ou em encruzilhadas vitais, oportunidades das quais sairmos fortalecidos.

Preste atenção a essas dimensões.

Menina com inteligência emocional

O autoconhecimento

Esta primeira estratégia pode parecer, à primeira vista, simples demais.

No entanto, se você realizar os seguintes exercícios que agora propomos, você se dará conta de que, às vezes, o que acreditamos que somos não corresponde ao que fazemos a cada dia.

Pense durante alguns instantes nestas questões.

Use seis palavras que definem a si mesmo e, a seguir, ponha exemplos que lhe demonstrem que verdadeiramente você é desse modo.

Propomos exemplos simples:

  • Eu sou corajoso ⇒ posso demonstrar isso? Não, porque até o momento, dependo mais do que os outros me digam ou decidam.
  • Eu sou uma pessoa positiva ⇒ posso demostrar? Não, porque agora mesmo as coisas não vão bem e deixei de ver o lado bom da vida.
  • Eu sou afetuoso ⇒ posso demostrar? Não muito, porque agora me sinto mal comigo mesmo e não sou tão carinhoso com os demais como era antes.

Agora que já nos definimos, vamos escrever como gostaríamos de ser nesses momentos:

  • Agora, eu gostaria de me sentir tranquilo.
  • Eu gostaria de estar bem comigo mesmo, de me sentir orgulhoso.
  • Neste momento, necessito estar sozinho.

Preste atenção na diferença entre cada estado e reflita sobre isso: sobre o que você sente agora e como gostaria de estar, na realidade.

Mulher de costas com inteligência emocional

Você é responsável pela sua felicidade, não responsabilize os outros

É muito possível que essa frase tenha lhe chamado a atenção. Como não vou responsabilizar essa pessoa pela minha infelicidade, se só me causa decepção e lágrimas?

Leia também: “4 ensinamentos que o budismo nos ensina sobre o amor

  • A inteligência emocional nos ensina, antes de tudo, sobre a necessidade de sermos responsáveis por nós mesmos, conhecendo nossas necessidades, medos e virtudes.
  • Já que todos devemos ser responsáveis pela nossa felicidade, é necessário tomar decisões. Se lhe causam mal, defenda-se com assertividade e deixe claro seus limites.
  • Expresse com clareza suas emoções e sentimentos. Se as outras pessoas não agem de maneira correspondente, com respeito e afeto, será necessário tomar uma decisão.

Não ponha a culpa nos outros, não guarde rancor, raiva ou despeito. Tudo isso pesa demais em nosso coração. A inteligência emocional nos ensina que, para sermos felizes, devemos ser livres dessas emoções que, queiramos ou não, pode nos deixar doentes.

Você decide seu valor, não tem que demonstrar nada a ninguém

Chegado este momento, já somos plenamente conscientes de nossas emoções, de nossas necessidades e sabemos também que devemos ser assertivos. Que é necessário pôr limites para deixar claro o que vamos permitir e o que não.

Qual será o passo seguinte para emergir dessa encruzilhada pessoal na qual nos encontramos agora?

  • Reconheça quais são as suas virtudes, seus pontos fortes. Você sabe seu valor e o que necessita, assim, comece a assimilar a calma em seu interior. Não mais dúvidas, nem medos.
  • Não há necessidade de demonstrar nada para ninguém. Cada pessoa tem seu próprio universo pessoal e sua forma de entender o mundo. Enquanto existir o respeito, todos temos direito de “ser” e “deixar ser”.

Recomendamos também: “Não trate como prioridade quem te trata como uma opção

mulher com borboletas usando inteligência emocional

Ligue o motor da mudança. Você sabe o quanto já sofreu e lutou nesta vida, assim…. Quem diz que não merece ser feliz “à sua maneira”?

Atreva-se. Comece hoje mesmo.