A menina de 5 anos que emocionou sua bisavó com demência

A menina de 5 anos que emocionou sua bisavó com demência

Ao relacionar-se com estímulos positivos, a música tem efeitos terapêuticos e é capaz de potencializar a função cognitiva e reduzir a agitação nos pacientes com demência.

A protagonista desta história se chama Sophie Flynn e tem 5 anos. Ela mora na Irlanda, seu país natal, e foi protagonista de um momento emotivo que rodou o mundo. Esta criança teve a sorte de poder compartilhar alguns instantes de autêntica cumplicidade com sua bisavó.

Brenda Brock é uma idosa de 82 anos diagnosticada com demência e que, ainda assim, pôde se conectar novamente com a realidade e com este membro de sua família, capaz de oferecer a ela os melhores estímulos para fazer com que se lembrasse.

O que a pequena Sophie conseguiu com sua bisavó é único e incomparável. Foi tão incrível que seus pais não hesitaram em gravar o momento e mostrá-lo a todo o mundo.

Convidamos a todos a descobrir esta história conosco.

Sophie e sua bisavó Brenda

Brenda Brock mora há algum tempo em um lar de idosos. Nele, ela é assistida e tem todas as suas necessidades atendidas, recebendo além disso os estímulos necessários para manter, pelo menos, algumas de suas capacidades cognitivas.

Entretanto, fica claro que, por mais esforços positivos que a senhora Brock receba por parte dos profissionais de saúde responsáveis pelo seu tratamento, nunca será o mesmo que viver esta interação direta com alguém de sua família.

Apesar de demências como o Alzheimer serem capazes de fazer com que as pessoas se esqueçam de nomes, rostos e identidades, ficam as emoções.

Existe uma união inexplicável que segue habitando nestas estruturas cerebrais relacionadas às emoções: o hipotálamo, a amígdala, o sistema límbico… De alguma forma, a deterioração associada aos processos neurodegenerativos deixa intactos muitos destes sistemas básicos associados ao mundo emocional.

niña-con-su-abuela-500x281

Fazia muito tempo que a pequena Sophie não visitava sua bisavó. Tanto que nem sequer se lembrava dela. Sua vida, em seus poucos 5 anos de idade, foi composta por seus pais, seus avós e seus cães.

No entanto, a bisavó Brenda estava neste lar de idosos onde as crianças não costumam ir com muita frequência.

Nesse dia, os pais de Sophie decidiram que era o momento. A pequena deveria desfrutar, ainda que somente por um momento, da companhia deste membro da sua família, com o qual compartilha o mesmo sangue, o mesmo legado.

Em algumas ocasiões, os pais têm medos quase irracionais. Conforme eles mesmos explicaram para a imprensa, os pais de Sophie temiam que ela visse sua bisavó em um estado tão ruim e se assustasse.

Deitada na cama, quase sem se mover e sem poder reconhecer ninguém, não era essa lembrança que eles queriam que ela tivesse de sua bisavó.

Entretanto, eles estavam errados. Os psicólogos também lhes advertiram sobre uma possível reação da idosa. Ela poderia se emocionar ou se assustar, já que um aspecto importante ao cuidar de pessoas com demência é o de manter a tranquilidade, não alterá-los, nem romper a sua rotina drasticamente.

E o que aconteceu com nossas duas protagonistas?

Quando os pais de Sophie entraram no quarto onde Brenda ficava, se surpreenderam com a naturalidade da menina. Não estranhou, não se assustou, nem sofreu nenhum tipo de impacto ao ver sua bisavó.

A pequena subiu na cama da bisavó e começou a cantar. E apenas isso. “Você é meu sol, minha única luz do sol” ela dizia entoando com sua doce voz infantil enquanto acariciava a idosa com sua adorável ternura.

Quando terminou a canção, Sophie não hesitou em abraçar e beijar sua bisavó. O que ocorreu enquanto isso foi algo mágico para Sarah Miller, a mãe da menina.

Conforme ela mesma contou ao jornal The Mirror: “Foi incrível, não podíamos acreditar. As duas estavam tão felizes e nos demonstravam tanta harmonia e encanto que parecia que se conheciam desde sempre. Como se fossem as únicas duas pessoas dentro do quarto”.

A cena foi gravada em vídeo pelo avô de Sophie, Sandy Miller, e foi ele quem o divulgou no YouTube, alcançando imediatamente milhares de visitas. Aqui deixamos para você este instante mágico:

  • Sabe-se que tanto a música quanto o canto exercem benefícios terapêuticos em pacientes com demência.
  • A música se relaciona sempre com estímulos positivos, e todo estímulo positivo gera calma e bem-estar.
  • Um estado de ânimo melhor em pacientes que sofrem de demência reduz a sua agitação e potencializa a função cognitiva.
  • O que ocorreu com Sophie e sua bisavó Brenda vai um pouco mais além da relação música-canto. A criança é um estímulo emocional significativo.
  • É possível que sua bisavó nem sequer a tenha reconhecido. No entanto, o calor da pequena, com suas carícias e seus beijos, tenha sido processada como algo muito emotivo no cérebro da pessoa.
  • De alguma maneira, este instante de magia e cumplicidade ficará para sempre no interior da bisavó e da menina. Os momentos carregados de emoções positivas e de grata união com nossos semelhantes criam “âncoras cognitivas”. Estimulam a memória, as afeições e o bem-estar.

Esta é uma das notícias que, devido a sua simplicidade, humanidade e encanto, quisemos compartilhar com você fazendo uma pequena homenagem a todas as pessoas que sofrem de demência e a seus familiares.