Meu problema é esperar que os demais façam o que eu faria

Meu problema é esperar que os demais façam o que eu faria

Ainda que possa parecer injusto, só podemos esperar 100% de nós mesmos, já que o resto das pessoas também têm seus interesses e eles nem sempre coincidem com os nossos.
Meu problema é esperar que os demais façam o que eu faria

Não há maior fonte de sofrimento do que esperar que os demais atuem como nós atuaríamos. Este é um erro no qual muitas pessoas caem e que, queiramos ou não, afeta o nosso equilíbrio emocional.

Cabe dizer que todos nós costumamos colocar altas expectativas nas pessoas que mais amamos, e fazemos isso porque esta ação nos oferece segurança.

“Eu sei que meu parceiro me apoiará pois eu o apoiaria”.

Supor, prever e, em essencial, esperar que uma pessoa atue como nós atuaríamos é uma forma de “controlar nosso mundo” e de estarmos seguros de determinadas coisas.

No entanto, as coisas nem sempre ocorrem como pensávamos, e assim surgem as decepções. Fica claro que todos nós precisamos de um percentual de segurança em nossas vidas. Ao não tê-lo, não saberíamos o que fazer e sofreríamos.

Por outro lado, não devemos levar ao extremo estes pensamentos: não é adequado pensar que o resto do mundo deve agir de acordo com os nossos valores.

Convidamos a todos a refletir sobre isso.

O poder das expectativas ou esperar que “você faça o que eu faria”

Os pais e as mães esperam que seus filhos se comportem como eles se comportariam. Um amigo costuma esperar que nós o defendamos em todas as situações e todos os problemas. Um marido espera que sua esposa aja a todo momento de acordo com suas próprias expectativas.

Estamos certos de que em seus entornos mais próximos você já enfrentou situações como esta. São expectativas muito perigosas que podem acabar prejudicando profundamente as duas partes. Não é o adequado a fazer.

Vejamos isso com mais detalhes.

Amigas que esperam

Se você não agir como eu espero, me decepcionará

Se não apoiarmos um amigo na iniciativa à qual ele está se dedicando, ele nos classificará como “falsos ou traidores”. É muito possível que seus objetivos não estejam de acordo com nossos valores ou que, simplesmente, neste momento não possamos ajudá-lo por problemas pessoais.

Quem não é capaz de sentir empatia por outras pessoas para entender suas realidades particulares e seu direito de pensar diferente não compreende como funcionam as relações positivas baseadas na reciprocidade e no respeito.

Ninguém tem a obrigação nem o dever de agir de acordo com as expectativas alheias. Ao fazer isso, perdemos nossa personalidade e vulneramos nossa autoestima.

A necessidade de ter o controle em todos os âmbitos de nossa vida

Há quem não aceite a incerteza, o fato de não saber o que vai acontecer, de ver reações ou situações sobre as quais não tem controle.

Como aceitar que um de nossos filhos diga que não quer fazer faculdade, se é isso que sempre sonhamos?

Como assumir que um amigo nos diga que prefere sair de férias com seus companheiros de trabalho do que conosco?

As pessoas que não toleram que os outros atuem de acordo com suas próprias escolhas sofrem uma alta frustração e decepções que prejudicam muito a sua autoestima.

Na realidade, bastaria sermos mais empáticos e, antes de tudo, deixar de tentar prever como os demais deveriam agir baseando-nos somente no que nós faríamos.

Não espere tudo dos demais, espere tudo de si mesmo

Menina esperando com um dente de leão

Direitos e obrigações

Quem deixa de esperar tudo dos demais vive com mais liberdade e com mais energia para focar no que realmente é importante: esperar tudo de si mesmo.

  • Você tem o direito de esperar que os demais o respeitem.
  • Você tem o direito de ser amado, mas não de controlar a vida de quem o ama, e nem de deixar que os demais controlem a sua.
  • Você tem o direito de esperar reciprocidade, mas não de confiar que os demais estejam de acordo com as suas ideias, escolhas ou valores.
  • Você tem o direito de lutar por seus sonhos e de permitir que os demais alcancem os seus, apesar dos mesmos serem diferentes do que os que você tem.
  • Você tem a obrigação de se preocupar consigo mesmo, de cuidar da sua autoestima e evitar se decepcionar porque o mundo não reage como você gostaria.
  • Você tem a obrigação de ser “proativo” e criar a sua própria felicidade evitando depender 100% dos demais. Aceite as negativas, assuma que, de vez em quando, você pode se decepcionar.
  • Entenda que nós também podemos decepcionar os demais, e nem por isso somos melhores ou piores pessoas. Somos apenas personalidades que tentam ser felizes de acordo com nossas identidades, em liberdade mas respeitando sempre o próximo.

Para concluir, devemos entender que não apenas o mundo é caótico; as pessoas também o são, e pretender que os demais atuem 100% como nós esperamos é uma fonte de estresse e sofrimento muito elevada.

Não vale a pena.