O que devemos saber sobre o câncer de cólon - Melhor com Saúde

O que devemos saber sobre o câncer de cólon

Em pessoas com mais de 50 anos, recomenda-se fazer uma revisão anual para poder detectar a tempo os possíveis indícios de câncer de cólon. Um estilo de vida saudável é chave para preveni-lo.

O câncer de cólon é uma afecção cada vez mais frequente, e por isso vale a pena conhecer algumas de suas características para evitá-lo ou tratá-lo a tempo. Essa é a doença mais grave que pode afetar esse órgão… É por isso que nesse artigo ajudaremos você a conhecer tudo sobre esse tipo de câncer. Confira!

O câncer colorretal é uma das principais causas de morte nos adultos em países como os Estados Unidos. O diagnóstico precoce pode ser determinante para a cura definitiva. O câncer de cólon começa no revestimento desse mesmo órgão e do reto.

Quais são as causas do câncer de cólon?

Não existe uma única causa para o desenvolvimento da doença. Na maioria dos pacientes o primeiro signo a se manifestar são pólipos benignos que podem crescer ou evoluir para câncer se não forem tratados. As pessoas com maior risco de desenvolver esse tipo de câncer são:

  • Maiores de 60 anos;
  • De origem afro-americana ou da Europa Oriental;
  • Que consomem muita carne vermelha ou processada;
  • Que tem pólipos colorretais;
  • Os que padecem de afecções intestinais inflamatórias como, por exemplo, a colite ulcerativa ou a doença de Crohn;
  • Pacientes com antecedentes familiares (principalmente apresentaram-se casos de polipose adenomatosa na família);
  • Que mantém uma alimentação rica em gorduras e pobre em fibras;
  • Os que fumam ou consomem muito álcool;
  • Obesos ou com muito sobrepeso.

O câncer de intestino grosso ou cólon é o segundo em mortalidade na Espanha e é mais frequente em homens do que em mulheres. Apenas 10% dos pólipos no cólon transforma-se em câncer, porém, não deveria se esperar muito tempo para iniciar o tratamento adequado.

Cólon_carne_processada

Quais são os sintomas do câncer de cólon?

Eles podem variar conforme a localização do tumor no intestino:

  • Se estiver localizado no cólon esquerdo os sintomas são: fezes com sangue, diarreia e prisão de ventre, sensação de evacuação incompleta;
  • Se estiver localizado no cólon transverso: dor, obstrução, dor do tipo cólica, vômitos e distensão abdominal;
  • Se estiver localizado no cólon direito: hemorragia interna ou oculta, anemia crônica, cansaço, palidez e fraqueza.

Em todos os casos o câncer de cólon pode causar falta de apetite, redução drástica do peso, febre, cansaço crônico, sensibilidade e dor na parte baixa do abdômen, além de afinamento das fezes.

Como detectar o câncer de cólon?

Os exames médicos são os que permitem determinar se uma pessoa tem ou não o câncer de cólon (ou seus antecessores, os pólipos). O médico faz pressão na região abdominal, assim como também um exame retal para poder detectar protuberâncias na área.

Por sua vez, um exame de matéria fecal pode detectar a presença de sangue, o que poderia indicar câncer de cólon (ainda que também possa indicar outras doenças). Outros exames incluem hemogramas completos para detectar anemia, além de testes da função hepática.

O exame que permite ver o intestino completo e determinar com certeza a presença de câncer ou pólipos é a colonoscopia. Com esse teste é possível observar o tubo intestinal em sua totalidade e extrair amostras suspeitas para analisar posteriormente. Se as lesões não permitirem a passagem desse elemento, o procedimento feito será o enema opaco, com a finalidade de observar a silhueta do cólon nas radiografias.

Colonoscopia1-500x325

Caso o câncer de cólon seja diagnosticado, outros exames devem ser feitos para verificar se o tumor espalhou-se e para determinar a extensão da doença, por meio de tomografias computadorizadas ou ressonâncias magnéticas no abdômen e na região baixa do ventre. Existem cinco estágios do câncer de cólon:

  • 0: incipiente, na camada externa do intestino;
  • I: nas camadas internas do cólon;
  • II: disseminado através das paredes do cólon;
  • III: nos gânglios linfáticos;
  • IV: disseminado em outros órgãos (metástase).

O tratamento dependerá de vários fatores como, por exemplo, a etapa na qual se encontra a doença. De menor a maior complexidade encontra-se a cirurgia (colectomia) para extrair as células cancerígenas; a quimioterapia para destruir as células com câncer e a radioterapia, para destruir o tecido cancerígeno.

O câncer de cólon é curável se detectado e tratado nas fases iniciais. Além disso, o prognóstico dependerá da idade do paciente, além do sistema imunológico e de quando o tratamento foi iniciado, dentre outros fatores. Caso a doença não reincidir cinco anos após o tratamento indicaria que o paciente está curado.

Diagnóstico precoce e prevenção do câncer de cólon

Existem diferentes programas para detectá-lo a tempo, já que no começo os sintomas podem ser confundidos com outras patologias. É recomendável que pessoas com mais de 50 anos realizem um exame de sangue oculto nas fezes uma vez por ano.

Outras medidas deverão ser providenciadas se existirem antecedentes  familiares e também deverá ser solicitada uma endoscopia preventiva a partir dos 40 anos. Se os resultados forem negativos o exame precisará ser repetido só passados dois anos, mas se derem positivo será indicada uma colonoscopia, como indicado antes.

Quanto à prevenção, estudos indicam que mudar a alimentação e manter um estilo de vida mais saudável pode reduzir consideravelmente a probabilidade de desenvolver câncer de cólon. Uma alimentação pobre em gorduras e em carnes vermelhas e rica em fibras diminui os riscos. Por outro lado é preciso consultar um médico quando os sintomas relacionados com a evacuação das fezes começarem a aparecer.