Qual é a quantidade ideal de horas que deveríamos dormir? - Melhor com Saúde

Qual é a quantidade ideal de horas que deveríamos dormir?

Ainda que o recomendável seja dormir oito horas seguidas, sempre haverá exceções e pessoas que precisam de mais ou menos tempo para ficar completamente descansados.

Hoje em dia vivemos uma rotina sempre cheia de afazeres e responsabilidades com tão pouco tempo para cumprir com todos eles. Nos deitamos tarde e acordamos cedo acreditando que aproveitamos bem as poucas horas de sono.

Nesse contexto, nunca nos perguntamos quantas horas de nosso precioso sono já perdemos. Quando dormimos pouco, a princípio tudo nos parece normal, mas passados alguns dias nessa mesma rotina de desatenção ao sono e dias frenéticos, sentimos um estranho esgotamento que tira nossa concentração, faz com que esqueçamos as coisas e afeta inclusive a nossa pele, que começa a apresentar manchinhas que não eram habituais.

Quando os efeitos começam a surgir não entendemos as causas, e ao contrário do que imaginamos, começamos a ter provas concretas de que o tempo que reservamos para dormir e descansar é sim, um tempo importante que deve ser bem empregado.

Assim, não basta dormirmos duas ou três horinhas para nos recuperarmos, o corpo precisa de um número determinado de horas diárias para descansar, se recompor e realizar diversas funções metabólicas e regenerativas.

Nesse artigo trataremos de um tema importante, que é justamente a quantidade de horas que devemos dormir para que nosso organismo desempenhe todas as funções necessárias com normalidade. Então, não perca mais tempo e venha descobrir conosco.

Por que dormimos?

Dormir

Passar do despertar ao sono é um processo natural e cíclico durante o qual ocorrem mudanças na secreção dos hormônios, na intensidade do metabolismo e nas funções cardiovasculares, respiratórias e termorreguladoras (regulagem da temperatura). Nosso sono se divide em cinco etapas que podem variar ao longo da noite. Conheça-as:

Etapas do sono

1) Sonolência ou adormecimento

Essa primeira etapa dura apenas alguns minutos. É o período no qual estamos de fato, começando a adormecer e que qualquer barulho, por mínimo que seja, pode fazer com que acordemos. Nosso corpo começa a relaxar e podem ocorrer movimentos oculares lentos de forma intermitente.

2) Sono leve

Essa é uma das etapas mais estranhas, pois é possível que ao falarem conosco, respondamos e não nos lembremos do que aconteceu no dia seguinte. Nosso corpo continua se relaxando.

3-4) Sono lento ou profundo

As etapas 3 e 4 constituem o sono lento, ou ainda, sono profundo, onde os movimentos musculares diminuem, a frequência respiratória se torna menor e regular e a pressão arterial junto à frequência cardíaca diminuem, enquanto aumentam os movimentos gastrointestinais.

Durante esse período de sono, a secreção do hormônio do crescimento (principalmente na puberdade) eleva-se subitamente, bem como a secreção odos hormônios gonadotrópicos (FSH e LH), responsáveis pelos processos de ovulação e formação de espermatozoides, respectivamente. Assim, é muito importante que não nos acordem durante essas etapas.

5) Sono paradoxo

Caracteriza-se pela ocorrência de movimentos oculares rápidos e da contração dos músculos do ouvido médio. É a etapa onde acontecem os sonhos, onde existe muita atividade cerebral, aumentos irregulares da frequência cardiorrespiratória, diminuição da temperatura corporal, aumento da secreção de prolactina (que influencia na progesterona).

Assim, é possível notar que cada uma das etapas do sono são fundamentais para que o organismo descanse e se recupere de uma jornada de atividades. Os hormônios que são liberados durante esse período influenciam notavelmente em nosso estado geral, enquanto a culminação do processo de digestão permite a absorção de nutrientes e a obtenção de energias.

Quantas horas deveríamos dormir?

dormir1-1

A quantidade de horas que precisamos dormir varia com a idade, mas de acordo com inúmeros estudos, à exceção dos recém-nascidos e de crianças muito pequenas, devemos dormir 8 horas para alcançarmos nossa capacidade máxima no dia seguinte. Existem diversos transtornos do sono, mas normalmente não prestamos atenção ao “mal dormir”, até que as consequências se tornam muito sérias.

A seguir, apresentaremos algumas dessas consequências, que surgem quando não dormimos o suficiente:

Esgotamento

Não dormir o suficiente causa esgotamento, aumenta os níveis de estresse e favorece a acumulação de toxinas, ou seja, seu corpo não poderá te responder como você precisa na manhã seguinte. Assim, nos sentimos cansados, lentos e com muito sono.

Doenças

A falta de sono provoca transtornos metabólicos que atentam contra nossa saúde. O mais preocupante é que acontece um aumento da probabilidade de sofrermos problemas cardiovasculares, hipertensão e diabetes mellitus.

Memória e criatividade

Não dormir o suficiente faz com que nosso cérebro não consiga ordenar e gravar toda a informação que recebemos durante o dia, e isso pode causar alterações na memória, falta de concentração, mudanças no humor, mau humor, irritabilidade, diminuição nos reflexos, problemas de conduta e aprendizagem e depressão.

Se tivermos um bom descanso, segundo especialistas, estaremos mais aptos a criar ideias novas e inovadoras.

Infecções

A falta de sono pode deprimir nosso sistema imunológico, tornando-nos suscetíveis ao ataque de bactérias e vírus.

Estética

A falta de descanso é refletida diretamente em nossa pele, que pode se irritar e “murchar” devido a regeneração celular que passa a ser inadequada.

Os olhos

Precisamos dormir também para descansar os olhos, assim, evitamos olhos vermelhos, olheiras e problemas de visão.

Respiração

Se não dormimos todo o tempo que o organismo necessita, acabamos por afetar a oxigenação das células.

Emagrecimento

Quando o corpo não descansa o suficiente ele tende a acumular gorduras, principalmente na região do abdômen. Um corpo bem descansado ajuda a manter o peso ideal e inclusive a perdê-lo, visto que dormir influencia em nosso apetite e na assimilação de nutrientes.

Se cuidando sempre

Lembre-se que dormir bem, durante as 8 horas recomendadas, nos traz inúmeros benefícios, não apenas no que diz respeito ao descanso do corpo e da mente, como também:

  • Restaura os níveis energéticos que necessitamos para enfrentar um dia inteiro de trabalho;
  • Aumenta a irrigação de sangue no estômago e no intestino, auxiliando consideravelmente a digestão;
  • Diminui o estresse e regenera as células cerebrais, o que faz com que nos sintamos mais acordados e com maior capacidade de aprendizado e memorização no dia seguinte;
  • Facilita a eliminação de substâncias tóxicas do corpo;
  • Ativa o sistema imunológico e favorece a produção de anticorpos, ou seja, diminui as probabilidades de surgirem doenças;
  • Estimula a produção de células sexuais;
  • Regenera os tecidos corporais, principalmente a pele;
  • E, para quem deseja uma vida longa e saudável, nada melhor do que dormir o tempo necessário diariamente, praticar exercícios físicos e manter uma dieta balanceada. Esse é, segundo os especialistas, o segredo de uma vida plena e cheia de saúde.