Qualquer que seja o seu sofrimento, não machuque os outros

Qualquer que seja o seu sofrimento, não machuque os outros

Ainda que você não acredite, tudo o que precisa para aliviar seu sofrimento é tempo. Dê a si mesmo o tempo de que precisar e, enquanto isso, procure fazer com que a dor não lhe faça machucar os outros.
Mulher enfrentando sofrimento

Seu sofrimento é um espaço privado, profundo e complexo que você deverá reparar pouco a pouco para voltar a manter o equilíbrio, a paz interna que nos permite enfrentar de novo o dia a dia com força e otimismo.

Embora seja verdade que todos passamos por estes instantes de dificuldade pessoal e de abatimento, algo que nunca deveríamos fazer é buscar culpados. Evite machucar, tente não projetar seu sofrimento sobre os demais.

Em algumas ocasiões, há pessoas que não podem evitá-lo. Existem estados depressivos onde o desânimo é tal que se traduz em raiva, até o ponto de culpar os outros por seus próprios estados, por sua doença.

O que precisamos é apoio, ajuda e, antes de tudo, tomar consciência de que devemos ser nossos próprios arquitetos emocionais. Enfrente suas trevas sem machucar os outros, gerencie suas emoções para que, pouco a pouco, cheguem a calma e a tranquilidade.

Convidamos a todos a refletir sobre isso.

Seu sofrimento, um muro a derrubar

Certamente você já ouviu em mais de uma ocasião que “não há nada que amargue mais a um amargurado do que o fato de não poder amargurar os demais”.

Pois bem, apesar de todos termos experimentado na própria pele como é passar o dia ao lado de alguém que não deixa de querer nos influenciar com sua negatividade e abatimento, há um fato que não podemos deixar de lado: é uma pessoa que sofre.

Seu sofrimento é tão respeitável quanto o dos demais, e todos nós podemos nos ver em algum momento nestas situações de dificuldade pessoal nas que, quase sem nos darmos conta, estendemos nosso manto de obscuridade sobre os outros.

Por isso, é importante pensar nas seguintes dimensões.

Os muros ao redor de seu sofrimento

A importância da inteligência emocional é fundamental nestas situações. Há momentos em que fracassamos, em que sentimos uma decepção, uma traição. Alguém nos faz mal e o que sentimos é, acima de tudo, raiva.

  • Esta raiva pouco a pouco deveria se canalizar em tristeza e em desabafo emocional. Viver uma fase na qual a ira busca sempre culpados ao seu redor.
  • É comum nos fecharmos em uma espécie de “couraça” onde o mundo fica pequenino e reduzido a uma única sensação com muitas formas e cores: o desagrado, o desconforto, o desdém, a falta de interesse, e o incômodo ao ver que os outros seguem rindo enquanto nós “morremos de pena”.
  • Cabe dizer que cada pessoa enfrenta estes estados de uma forma. Há os mais hábeis e há os que sentem uma dura incapacidade na hora de gerenciar este sofrimento.

Eles se limitam a alçar um muro desde o qual podem se proteger, ou até atacar os outros.

Mulher sofrendo

Reconhecer emoções para controlá-las melhor

A arte de amargar a vida é algo muito comum em nossa atualidade. Deixamos de estabelecer como prioridade o ato de praticar a liberdade emocional, o desapego e a adequada atenção a si mesmo.

  • A liberdade emocional é a capacidade de saber colocar palavras em nossas sensações, ao que nos incomoda, ao que nos machuca. Se nos limitarmos a esconder estas emoções negativas, no final das contas seremos como uma “bomba-relógio” prestes a explodir.
  • O desapego, por sua parte, é a habilidade de não nos prendermos ao ódio, ao rancor, a esta emoção negativa que nos torna prisioneiros de quem nos faz mal.

Sabemos que seu sofrimento, às vezes, tem uma forma concreta, que tem nome e sobrenomes, mas para sermos livres é necessário perdoar, avançar e nos libertarmos.

  • A atenção adequada direcionada a si mesmo não é egoísmo. Pelo contrário, é uma arte delicada através da qual podemos propiciar um bom diálogo interno onde ouvir necessidades, identificar medos, feridas não curadas, preocupações.

Quanto mais você atender a si mesmo, mais irá fortalecer a sua autoestima, e este bem-estar interno se projetará também naqueles que o rodeiam.

As agulhas do tempo e nossa vontade remendarão os pedaços de nosso sofrimento

Nunca busque culpados para o seu sofrimento nem armazene mais ódios. Não vale a pena, porque as emoções negativas não curam. Pelo contrário, elas nos adoecem.

  • O rancor nunca serve para nada. Por isso, quando você atravessar momentos difíceis, seja muito consciente de cada gesto e de cada palavra que projetar ao seu redor. Às vezes, sem se dar conta, você está propiciando mais distância do que proximidade.
  • Por sua vez, quem estiver ao nosso lado também deve ser intuitivo e empático em relação a nossa realidade pessoal e nos apoiar.

Assim, devemos ser capazes de nos deixar ajudar, de atender e escutar para encontrar forças, para nos sentirmos um pouco mais hábeis e compreendidos.

Dente de leão

O tempo cura, mas algo que devemos ter claro é que não fará com que “nos esqueçamos”. As feridas não se apagam de nossa memória: nos lembraremos delas sem que nos causem dor.