Quando a tristeza se torna crônica: Distimia

Quando a tristeza se torna crônica: Distimia

Todas nós sabemos o que é passar por uma época difícil, aí onde nos envolve o pesar e onde os pensamentos negativos nos obrigam a ter que reavaliar muitas coisas da nossa vida. Há vezes em que o simples fato de passar por esses momentos nos faz também aprender e conquistar, por sua vez, as adequadas estratégias de confrontação.

Agora,  vejamos… E se esse estado de tristeza for contínuo? O que ocorre se esse mal-estar interior, esse pesar e esse desânimo não desaparecem e os “arrastamos” todos os dias? Nesse caso, estamos falando de um transtorno chamado distimia, algo que se diferencia da clássica depressão e que vale a pena conhecer um pouco mais.

Acompanhe-nos nesta leitura para compreender esse tipo de doença.

O que é a distimia?

Depresao-500x336

 

É um tipo de depressão, mas com importantes matizes afetivos e emocionais que a quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM-V) estabelece sob outra denominação bastante clara: Transtorno depressivo persistente. Vamos explicar quais são suas principais características:

  • É um estado de tristeza e de desânimo constante. Não há épocas melhores e piores, mas sim habitualmente esta sensação emocional tão negativa costuma durar mais de dois anos.
  • Vale a pena saber que esse tipo de afecção não depende quase nunca de “fatores externos”, quer dizer, não é necessário sofrer de uma perda ou um desengano para cair nesse tipo de depressão. A origem é orgânica e quase sempre hereditária, e é muito comum em mulheres.
  • Costuma aparecer aos 21 anos.
  • Há casos bastante graves, pessoas que, por exemplo, são incapazes inclusive de cuidar de si mesmas e que precisam de uma ajuda diária para comer, para se higienizar. São, como dizemos, casos em que a distimia é mais séria.
  • Apesar de ter um componente hereditário, o estresse costuma agravar ainda mais essa sensação de abatimento, de modo que pode fazer com que acabemos caindo nesse estado mais grave anteriormente mencionado.
  • À tristeza é somado o mau humor, o cansaço, a insônia, os problemas alimentícios e a dificuldade para se concentrar.
  • Se a distimia não for tratada a tempo, ela pode derivar em uma “depressão maior”, quer dizer, em um transtorno mental ainda mais grave, onde além disso, podem aparecer a ira, a raiva e inclusive as tentativas de suicídio. É muito perigoso, daí a importância de tratar desse tipo de problemas o quanto antes.

Como tratar a distimia?

Mulher-triste-500x333

 

Em primeiro lugar, temos que ter em mente que a distimia é uma patologia que deve ser controlada ao longo de toda a nossa existência. Podemos dispor de uma qualidade de vida adequada no nosso dia a dia? Certamente. É possível consegui-la, sempre que sigamos as seguintes pautas:

  • Fármacos antidepressivos.
  • Fazer psicoterapias de conduta e cognitivas, além de dinâmicas de grupo.
  • Contar com um acompanhamento médico periódico ao longo de toda a nossa vida.
  • Contar com um bom apoio social e pessoal.

Temos que considerar, acima de tudo, que a origem da distimia é hereditária e, portanto, orgânica. Quase sempre aparece uma leve alteração nos neurotransmissores da serotonina. Isso significa que os fármacos serão efetivos e que, sem dúvida, a terapia psicológica será de grande ajuda. Entretanto, esses tratamentos devem ser seguidos virtualmente a vida toda. Você vai poder desfrutar do seu dia a dia, vai poder trabalhar e cumprir seus sonhos e objetivos.

Agora bem, as pessoas que foram diagnosticadas de distimia precisam ser conscientes do seu próprio problema e manter uma grande força interior para compreender que o que acontece com elas. É uma doença que vai ter que ser controlada, tratada e, sobretudo, devem ser cuidadas adequadamente as suas fontes de estresse e ansiedade, porque esses fatores podem se tornar disparadores da distimia no seu estado mais grave.

Depresao-1

Lembre-se de que se alguém da sua família apresentar esse transtorno,você também tem probabilidades altas de sofrê-la. Tome medidas, fale com o seu médico e siga todos os seus conselhos. Para concluir, assinalamos também que é importante saber diferenciar a distimia de uma depressão normal:

  • A distimia aparece aos 21 anos, ou antes, e é um estado de tristeza permanente sem que existam razões concretas que originem essa emoção, esse abatimento. Dura entre um ano e meio e dois anos e, se não for tratada a tempo, ela pode derivar em uma depressão mais séria onde aparecem já as tentativas de suicídio.

Tenha cuidado!