Sinais de alerta sobre o câncer do útero - Melhor Com Saúde

Sinais de alerta sobre o câncer do útero

Se tivermos antecedentes de câncer em nossa família é muito importante fazermos exames periódicos, tanto para descartar problemas quanto para poder obter um diagnóstico precoce.

Qualquer tipo de câncer é sumamente perigoso e deve ter um diagnóstico precoce, um tratamento adequado e um acompanhamento rigoroso. Dentre todos os tipos de câncer existentes, neste artigo trataremos especificamente do câncer cervical ou câncer do colo do útero. 

Sempre devemos estar alerta com relação ao câncer do útero e fazermos exames preventivos pertinentes e periódicos, prestando muita atenção aos sintomas que ele pode produzir no corpo. Em seguida, trataremos mais a fundo sobre quais são estes sintomas e tudo o que implica o câncer uterino.

Sinais de alerta do câncer

Vários grupos de pesquisa contra o câncer concordam há uma série de sinais de alerta que todas as pessoas devem conhecer e estando diante um pequeno sinal, recomenda-se a visita a um médico o quanto antes.

Há sete sinais de alerta para detectar o câncer em geral:

  • Hábitos intestinais ou urinários modificados
  • Úlcera na pele sem cicatrização
  • Hemorragias ou secreções sem uma causa que as justifique
  • Presença de nódulos
  • Tosse ou ronquidão persistente
  • Indigestão ou dificuldade na hora da deglutição
  • Mudanças ou alterações em uma pinta

Principais fatores de risco de câncer do colo do útero

Cancer-de-útero-matriz

Todos devemos saber que um fator de risco é tudo aquilo que costuma aumentar as possibilidades para a instalação de uma doença, neste caso, o câncer uterino. Os fatores de risco costumam ser variáveis de acordo com cada tipo de câncer, como o câncer de pele, entre outros.

Ao detectar os fatores de risco devemos nos focar nos que podemos mudar ou evitar. Estes costumam ser o tabagismo ou a presença do papilomavírus humano (ou HPV), por exemplo. Entretanto, há alguns fatores que, infelizmente, não podemos alterar, logo, não devemos nos focar nestes, tais como a idade ou os antecedentes familiares. Em seguida, mencionaremos alguns fatores de riscos que influenciam no desenvolvimento do câncer de colo do útero.

Papilomavírus humano ou HPV

É considerado como fator de risco mais importante para o desenvolvimento do câncer de colo de útero, porém isolado não torna-se suficiente. Os médicos supõem que uma mulher deve estar infectada com HPV antes de desenvolver o câncer uterino, mas reconhecem que, para isso, outros fatores como genética, imunidade, comportamento sexual, idade e hábitos de vida não saudáveis, geralmente estão associados á infecção do vírus. Até 80% das mulheres sexualmente ativas podem contrair o HPV, isso porque os preservativos não garantem proteção total contra esta infecção, ao contrário de outras doenças sexualmente transmissíveis. O contato com ferimentos minúsculos da pele da vulva, região perineal, região perianal ou escroto podem sem responsáveis pelo contágio. Dentre os vários tipos HPV, o 16 e 18 são causadores de cerca de 2/3 (dois terços) de todos os cânceres uterinos.

Tabagismo

Fumar

 

As mulheres fumantes têm mais possibilidades de sofrerem o câncer do útero, têm, inclusive, o dobro de possibilidade com relação às mulheres não fumantes; já que submetem o corpo a numerosas substâncias químicas cancerígenas que podem chegar a afetar outros órgãos, além dos pulmões. Infelizmente, estas substâncias chegam até à corrente sanguínea, graças à troca gasosa. Além disso, fumar faz com que o sistema imunológico se torne menos eficaz para poder combater o HPV. Estudos apontam que o risco para o desenvolvimento deste tipo de câncer aumenta proporcionalmente ao número de cigarros fumados por dia e a idade com que o indivíduo começa a fumar.

Imunossupressão

O vírus que causa a AIDS, o HIV, ocasiona um grande dano ao sistema imunológico e faz com que as mulheres estejam mais expostas à infecção pelo HPV. Isso poderia ajudar a explicar o alto risco do câncer do útero nas mulheres com AIDS. Além da AIDS, outras doenças também podem causar imunossupressão, como as doenças auto-imunes, por exemplo, e o uso de algumas medicações, facilitando a entrada do HPV no organismo.

Infecção clamídia

É catalogada como uma espécie de bactéria que pode infectar o sistema reprodutor e pode ser contraído por meio do contato sexual, logo, é um doença sexualmente transmissível (DST). Estudos afirmam que a mulher que tenha ou teve clamídia, tem maior risco de desenvolver  o câncer de colo do útero.

Alimentação

gordura

As mulheres com maus hábitos alimentares, que carecem de frutas, saladas e verduras, apresentam mais risco de apresentarem câncer uterino. 

Pílulas anticoncepcionais

Muitos estudos acerca do tema afirmam que as mulheres que usam pílulas anticoncepcionais por tempo prolongado são mais propensas a desenvolver o câncer do útero, mesmo que o risco reduza quando a mulher suspende o uso das pílulas. O risco é maior quando o uso iguala ou supera os 5 anos.

Sinais e sintomas do câncer de colo do útero

Os sintomas em geral não começam até que um fator de risco se torne um câncer invasivo e tende a crescer até o tecido adjacente. Quando isso ocorre, os sintomas que se tornam mais comuns são:

  • Sangramento vaginal espontâneo, após o coito ou esforço
  • Corrimento vaginal anormal
  • Dor pélvica
  • Dor durante as relações sexuais

Em casos mais avançados, podem estar associadas queixas urinárias ou intestinais.

Estes sintomas podem não necessariamente significar o desenvolvimento do câncer de colo de útero, porque também estar associados a outro tipo de patologias. De qualquer forma, sempre consulte um profissional médico ou enfermeiro, devidamente capacitados.