Sintomas de uma úlcera no estômago - Melhor com Saúde

Sintomas de uma úlcera no estômago

Seu organismo precisa de um equilíbrio emocional e físico. Ainda que você não acredite, o estresse é um dos causadores mais comuns da úlcera no estômago.

Uma alimentação muito ácida, uma dieta incorreta e fatores como o estresse ou a ansiedade podem nos causar úlceras gástricas. Uma realidade bastante comum na atualidade, devido aos nossos hábitos de vida – às vezes negativos – que vale a pena conhecer. Confira!

Aprenda a reconhecer os sintomas de uma úlcera no estômago

Em muitas ocasiões não prestamos atenção nas coisas que acontecem em nosso corpo. Às vezes a pressão diária, as obrigações e o dever familiar ou do trabalho, nos fazem ignorar realidades sobre o que ocorre conosco. Comemos mal com pressa, deixamos que o estresse interfira em nossa vida sem dispor de instantes de calma onde somos nós mesmos e aproveitamos aquilo de que gostamos.

Nosso organismo reclama de um equilíbrio emocional e físico, por isso sempre devemos nutri-lo adequadamente. Você sabia que, por exemplo, nosso sistema digestivo é quem mais sofre com os efeitos negativos do estresse e da ansiedade? Costuma-se dizer que ele atua como nosso segundo cérebro, por isso é o mais prejudicado, e as úlceras passam a ser precisamente um dos efeitos mais habituais. Vejamos agora seus principais sintomas.

1. Atenção às dores abdominais

Em especial aos incômodos centrados no abdômen e nas regiões entre o esterno e o umbigo. Podem ser moléstias breves de maior ou menor intensidade. Você já observou, por exemplo, em que momentos essa dor costuma ser mais intensa? Principalmente quando temos o estômago vazio, justamente entre as refeições.

Sentimos uma dor ardente que nos queima. É verdade que um antiácido pode aliviar, mas é muito característico sentir essas inflamações à noite ou simplesmente quando sentimos fome.

2. Pequenos sintomas presentes no quadro de uma úlcera estomacal

Em algumas ocasiões podemos apresentar um dos sintomas mais frequentes, mas com o tempo essas sensações leves podem se tornar persistentes e até piorarem progressivamente e podemos padecer de todas elas ao mesmo tempo. Devemos considerar e pôr atenção principalmente na frequência dos seguintes sintomas.

  • Muitos gases e arrotos.
  • Falta de apetite e perda de peso
  • Sensação de ficar estufado depois de comer e dificuldade para ingerir líquidos. Por exemplo, custa beber um copo inteiro de água.
  • Esgotamento e cansaço diários.
  • Náuseas matutinas e sensação de mal-estar.

3. Sintomas de uma úlcera grave

Também é preciso considerar os casos em que os sintomas nos advertem sobre uma úlcera grave. As características consideradas graves e que devem nos convencer de procurar um médico são:

  • Fezes escuras, com rastros de sangue.
  • Vontade de vomitar diariamente, angústia persistente que, em ocasiões, termina com um vômito acompanhado de um pouco de sangue.

Dicas alimentares para tratar a úlcera no estômago

alcachofra

Primeiramente precisamos considerar todos os alimentos que podem nos fazer mal. Seja direta ou indiretamente, existem componentes que, como o sal, são capazes de nos causar problemas como a hipertensão ou inflamações que, de um modo ou outro, afetam nossa úlcera. Além do tratamento prescrito pelo médico, também existem outras possibilidades para complementá-lo.

Alimentos não recomendados

  • Evite o sal e o açúcar.
  • Os doces também não são benéficos, incluindo guloseimas.
  • Substitua a farinha branca pela integral.
  • Melhor limitar ou evitar o consumo de refrigerantes açucarados e inclusive sucos prontos, já que só contêm vitaminas e muito açúcar.
  • Limite o consumo de café e evite o álcool.
  • Os lácteos não são recomendáveis.
  • Evite comer vísceras, tais como rins e coração de diversos animais…
  • Os alimentos salgados e em conserva não são boas opções em casos de úlceras estomacais.

Alimentos recomendados

As chamadas verduras alcalinas são estupendas, tais como as alcachofras, o espinafre, o alho-poró, a abobrinha, a couve, o salsão, a endívia, o champignon, a alface, a abóbora, a couve-flor, a couve lombarda… Também não devemos nos esquecer de especiarias muito recomendáveis, como o orégano.

Opte também por infusões como as de menta, melissa, alcaçuz e tomilho. São muito digestivas, suaves, protetoras e anti-inflamatórias. Podemos tomá-las duas vezes ao dia depois das refeições, preferentemente mornas e não muito quentes, elas ajudarão a se sentir melhor. Também pode adicionar um pouquinho de limão, que, mesmo sendo cítrico e ácido, normalmente atua como um bom protetor.