Tirar os sapatos antes de entrar em casa é um ótimo hábito

Tirar os sapatos antes de entrar em casa é um ótimo hábito

Na rua, nossos sapatos entram em contato com todo tipo de micro-organismos. Se não tirarmos os calçados ao chegarmos em casa, eles podem contaminar nosso lar e ser uma fonte de doenças.

Não utilizar sapatos no interior da casa é um costume japonês que milhões de pessoas têm adotado por questões de praticidade e saúde.

Ainda que a medida seja um pouco exagerada, está comprovado que ela poderia ter vários benefícios para quem a pratica.

Alguma vez você já pensou em todos os cenários pelos quais seus sapatos passam durante o dia? Certamente, se fizer isso, você encontrará várias razões para se preocupar.

O costume de tirar os sapatos antes de entrar em casa é uma tradição japonesa que está ganhando importância em muitos outros locais do mundo.

Ainda que não saibamos, nossos sapatos adquirem, diariamente, milhares de bactérias e micro-organismos que podem causar doenças quando, por exemplo, nosso sistema imunológico está fraco.

Como sabemos que muitas pessoas ainda não estão conscientes disso, neste artigo vamos analisar um estudo científico que explica por que é mais conveniente deixá-los na entrada de casa.

Tirar os sapatos e deixá-los na entrada da casa?

tirar_os_sapatos_deixar_na_entrada_de_casa

Como afirmamos no início do artigo, o costume de tirar os sapatos antes de entrar em casa é uma tradição japonesa que está ganhando importância em vários outros lugares do mundo.

Ele consiste em ficar descalço logo após chegar da rua, colocando os sapatos em um local especial ao lado da porta ou num espaço específico para eles, como uma sapateira.

Na cultura do Japão, isso se pratica por questões de higiene, ainda que também seja um sinal de respeito pelo espaço privado.

A medida também é realizada em restaurantes, colégios, academias e muitos outros locais frequentados pelos japoneses.

Isso acontece porque sabemos que o sapato é uma das principais vias de sujeira e contaminação dentro do lar, pelo simples fato de estar exposto a muitas superfícies no ambiente.

Atualmente, muitos especialistas tentam saber mais sobre o tema e, efetivamente, puderam comprovar que os sapatos são uma fonte comum de perigosos patógenos.

Ver também: É prejudicial para a nossa saúde tomar muito banho?

Os sapatos têm mais bactérias que um vaso sanitário

Bacterias-500x375

Em 2012 uma curiosa investigação empírica comprovou que os sapatos podem ser uma boa fonte de informações sobre a personalidade dos indivíduos.

Eles poderiam refletir uma idade média, o sexo, a condição econômica e até alguns traços psicológicos.

O que não sabíamos até agora era que esses acessórios tão indispensáveis em nossa vida são uma grande fonte de bactérias, superando inclusive as que um vaso sanitário contém.

Num estudo realizado em 2008 e liderado por Charles Gerba, professor de microbiologia da Universidade do Arizona, foi demonstrado que, em apenas duas semanas de uso, alguns sapatos chegaram a acumular cerca de 420 mil bactérias em sua parte externa, das quais cerca de 96% são coliformes fecais.

De acordo com o trabalho do professor Gerba, de todas as bactérias identificadas nos sapatos, cerca de 27% eram da espécie E. coli, micro-organismos que habitam o intestino dos humanos e dos animais.

tirar_os_sapatos_coco_de_cachorro

O pesquisador sugere que isso pode se dever ao contato frequente que o sapato tem com a matéria fecal, tanto na rua como em alguns locais públicos.

Ainda que a maioria das variedades de E. coli não provoque problemas de saúde, em alguns casos elas desencadeiam doenças e episódios de diarreia crônica.

Leia também: Tratamentos naturais para combater a Heliobacter Pylori

O pior é que não é só isso. Entre os milhares de micro-organismos encontrados nos sapatos, também foram encontradas quantidades relevantes das bactérias Klebsiella pneumoniae e da Serratia marcescens.

A K. pneumoniae é uma das responsáveis pelas infecções do sistema urinário, pneumonia e outras doenças dos tecidos moles e das feridas abertas.

Já a S. marcescens pode causar conjuntivite, queratite e, em casos mais raros, meningite e endocardite.

As duas variedades de bactérias são as que atacam o organismo quando ele não tem anticorpos suficientes para se defender e, de fato, são as que causam as tão temidas infecções hospitalares.

No entanto, é importante esclarecer que as probabilidades de infecção por bactérias provenientes dos sapatos são mínimas, a menos que, por alguma razão, eles tenham contato direto com a boca ou com alguma ferida aberta.

É preciso levar em conta que são muitos os meios que levam as bactérias até o lar, e que o organismo saudável possui defesas para combatê-las.

Ainda assim, é aconselhável evitar riscos, adotando medidas simples como a de tirar os sapatos antes de entrar em casa, assim como lavá-los frequentemente com água e sabão.